Skip to content

Teatro Independente de Oeiras

História de Nós 2

Equipa artística

Lícia Manzo

Autora de História de Nós 2

Dramaturga e roteirista, Licia Manzo é autora das telenovelas “A Vida Da Gente” (2011), “Sete Vidas” (2015) e “Um Lugar ao Sol” (2021), todas da TV Globo de Televisão. Recebeu o prémio Contigo (“Melhor Autor de Novelas/2012”, por “A Vida da Gente”) e o Abra/2022 (“Melhor Roteiro de Novelas/ 2022”, por “Um Lugar ao Sol”).

A sua telenovela “A Vida da Gente” é a terceira mais exportada do catálogo da TV Globo, tendo sido exibida em 132 países. No teatro assinou, entre outros, o texto dos espectáculos “A História de Nós 2” (Direcção Ernesto Piccolo/ 2009 e direcção de Carlos d’ Almeida Ribeiro/2024; Troféu O Globo/2010 como o “Melhor Espetáculo”) e “Aquela Outra” (Direcção Clarice Niskier/2011).

Em 2008 publicou o ensaio biográfico “Era uma vez: Eu – a não-ficção na obra de Clarice Lispector”, indicado para o prémio Jabuti no mesmo ano.

Carlos d'Almeida Ribeiro

Actor, encenador, cenógrafo e produtor executivo

Actor desde 1984 com formação artística promovida pela Fundação Gulbenkian e licenciado em Gestão Hoteleira. Frequentou vários cursos e workshops dos quais destaca o trabalho desenvolvido com o Mestre Adolfo Gutkin. Em 1989 funda o TIO – Teatro Independente de Oeiras, do qual se torna director, encenador e actor residente. Ao longo da sua carreira de 39 anos assinou espectáculos de reconhecido prestígio e êxito por parte da crítica e público dirigindo 79 produções. Conjuntamente com as encenações faz questão de assinar igualmente as cenografias dos espectáculos produzidos pelo TIO, do qual é também produtor executivo.

Em 1999 recebe o prémio de melhor actor do festival de teatro SMUP.

No ano de 2001 em representação da Companhia recebe a distinção de mérito Grau Prata da Câmara Municipal de Oeiras.

A Junta de Freguesia de Oeiras distingue Carlos d’ Almeida Ribeiro como personalidade de relevo, prémio atribuído em 2006.

Em 2008 é agraciado, pela autarquia de Oeiras, com a medalha de mérito Grau Ouro.
A 1 de Dezembro de 2012 é recebido, no Vaticano, em audiência privada pelo Papa Bento XVI em representação dos actores portugueses.
Dirigiu e contracenou, entre outros, com Daniela Ruah, Liliana Santos, Igor Sampaio, Rita Ribeiro, Maria Helena Matos Santana, Rita Frazão, Lourenço Henriques e Camilo de Oliveira.
Ao longo da sua carreira contam-se inúmeras participações em cinema, novelas, séries e anúncios destacando-se o co-protagonismo na série Camilo o Presidente da SIC e o filme Um Passo, Outro Passo e Depois de Manuel Mozos.

Tem vários espectáculos encomendados para assinalar efemérides, dos quais se destacam, Festival Internacional de Vídeo de Oeiras; 250 anos de Oeiras; Aniversário dos 80 anos dos SIMAS de Oeiras e Amadora e Aniversário dos 20 anos da cadeia de hotéis Real.

Desde sempre ligado ao exercício de dar aulas de teatro, em contexto escolar, leccionando, igualmente, cursos de teatro para empresas, particulares e para artistas.

Em janeiro e fevereiro de 2022, fazendo parte do elenco, gravou em S. Paulo, Brasil, para a HBO a série original, “Área de Serviço”.

Miriam Freeland

Actriz e co-produtora em História de Nós 2

Miriam Freeland estreou-se profissionalmente aos 15 anos. A sua formação foi no tradicional Teatro O Tablado/RJ e é graduada em História da Arte pela UERJ e em Artes Cênicas pela CAL. Como actriz se destacam os seguintes trabalhos: “Diário de Pilar na Grécia” de Flávia Lins e Silva; “Casa de Bonecas” versão de Daniel Veronese; “Tomo suas mãos nas minhas”, de Carol Rocamora, encenação Leila Hipólito; “Espia uma mulher que se Mata”, encenação de Daniel Veronese e Marcelo Subiotto e “Um Sopro de Vida”, de Clarice Lispector, encenação de Roberto Bomtempo e Daniel Dias da Silva, dos quais também assina a Direcção de Produção.

No cinema, esteve nos premiados “Cine Holliúdy” e “Cine Holliúdy 2” de Halder Gomes, “A Floresta que se move” de Vinícius Coimbra e “Mão na Luva”, de Oduvaldo Vianna Filho, com direcção de Roberto Bomtempo e José Joffily. Na televisão, os seus principais trabalhos são: “D.P.A.” de Flávia Lins e Silva; “A Terra Prometida” de Renato Modesto; “Poder Paralelo” de Lauro César Muniz; “Um Só Coração” de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, “Esperança” de Benedito Ruy Barbosa e “Cravo e a Rosa” de Walcyr Carrasco.

PRÉMIOS: Prémio de Melhor Actriz – CBTIJ pelo espetáculo “Diário de Pilar na Grécia” – 2018; Prémio de Melhor Actriz – Botequim Cultural pelo espectáculo “Diário de Pilar na Grécia” – 2018; Prémio de Melhor Actriz – Festival de Cinema de Natal, FestNatal pelo filme “Mão na Luva” – 2013; Nomeada para o Prémio de Melhor Actriz – Prémio Quem de Cinema pelo filme “Cine Holliúdy” – 2012; Nomeada para o Prémio de Melhor Actriz – Prémio Shell de Teatro pelo espectáculo “Tomo suas mãos nas minhas” – 2010.

Miriam Freeland

Actor em História de Nós 2

Roberto Bomtempo é um actor, encenador e productor que desde o início da sua carreira transita constantemente entre o teatro, o cinema e a televisão, tendo sido premiado diversas vezes em festivais brasileiros e internacionais ao longo dos seus trinta anos de profissão.

Em teatro dirigiu, entre outras, as peças: “Casa de Bonecas” versão de Daniel Veronese, “Besame Mucho” de Mário Prata, “Um Sopro de Vida” de Clarice Lispector, “Barrela” de Plínio Marcos, “Capitães de Areia” de Jorge Amado. A sua estreia como director de cinema foi na longa-metragem premiada “Depois daquele Baile”, protagonizado por Lima Duarte, Irene Ravache e Marcos Caruso. Dirigiu também a longa-metragem “Mão na Luva” onde ganhou, ao lado de José Joffily, o Prémio de Melhor Direcção no Festival de Cinema de Natal.

Na televisão, dirigiu as novelas: “Jesus”, “Belaventura”, “Chamas da Vida”, “Luz do Sol” e “Bicho do Mato”, na TV Record; e os documentários “Barretos” e “Moda Country” para o canal Multishow. Com lançamento no Curta! Canal, idealizou e dirigiu a série “Companhias do Teatro Brasileiro”.

Fundou e dirigiu por 5 anos a Oficina de Actores da Rede Record de Televisão.

Como actor, participou de mais de 30 longas-metragens, dezenas de novelas e peças de teatro.
Formou-se em Artes Cênicas pela Faculdade CAL.

PRÉMIOS: Comenda – Medalha Pedro Ernesto – pela contribuição social no protagonismo da série Conselho Tutelar; Prémio de Melhor Filme – Festival de Cinema de Nova York pela longa-metragem “Depois Daquele Baile” – 2006; Prémio de Melhor Filme – Festival de Cinema de Miami pela longa-metragem “Depois Daquele Baile” – 2006; Prémio de Melhor Filme – Festival de Cinema de Tiradentes/MG pela longa-metragem “Depois Daquele Baile” – 2006;
Prémio de Melhor Filme – Festival de Cinema de Maringá/PR pela longa-metragem “Depois Daquele Baile” – 2006; Melhor Actor – Festival de Cinema de Miami pela longa-metragem “Tolerância” de Carlos Gerbase – 2001; Melhor Actor Secundário – Festival de Cinema de Cartagena (Colômbia), pela longa-metragem “Quem Matou Pixote?” de José Jofilly – 1997; Melhor Actor Secundário – Festival de Cinema de Gramado pela longa-metragem “A Maldição de Sampaku” de José Jofilly – 1991; Melhor Actor Secundário – Festival de Cinema de Brasília pela longa-metragem “A Maldição de Sampaku” de José Jofilly – 1991; Melhor Actor de Curta-metragem – Festival de Cinema de Gramado pela curta-metragem “O Vendedor” de Alberto Salvá – 1990; Melhor Actor de Curta-metragem – Festival de Cinema de Brasília pela curta-metragem “O Vendedor” de Alberto Salva – 1990